Autoconhecimento: 7 passos para se conhecer e se amar mais

Não se pode negar a importância do corpo. Um dos maiores desafios dos nossos tempos, talvez, seja o de compreender qual é o lugar do corpo para o indivíduo na sociedade. A seguir, acompanhe os ensinamentos da Psicóloga Lindaura Vieira:

O corpo é mutável desde o nosso nascimento até o envelhecimento. A visão assumiu um papel importante no que diz respeito à representação corporal, ou seja, a partir do olhar nosso corpo passou a ser percebido de formas diferentes.

E, na impossibilidade de alcançarem esse ideal, acabam vivenciando um grande vazio e acabam culpando o mundo ou a si mesmo por seus fracassos. Assim, desconhecendo suas reais possibilidades, desenvolvendo uma baixa autoestima.

Como você se vê é o que importa

Quando falamos de imagem corporal nos referimos à forma como a pessoa se percebe e se sente em relação ao seu próprio corpo e, principalmente, pensamentos e sentimentos positivos, negativos ou ambos que surgem desta percepção. Também é a forma como, muitas vezes, acreditamos que os outros nos veem.

Desta forma, o que se percebe é que o indivíduo vive não o corpo da forma como ele é, mas da forma como a sociedade muitas vezes impõe. Como uma representação mental que fazemos do nosso corpo espelhando-se muitas vezes em modelos fotográficos representantes da estética da perfeição.

Pessoas  que constroem uma  imagem corporal voltada para a aceitação do outro acabam por desenvolver um autoconceito fraco e inseguro, buscando no social o conceito que possam defini-las, dando-lhes a certeza de que assim serão aceitas.

Baseada no pensamento de Sartre, todo homem é livre para escolher e é responsável por suas escolhas. Entretanto, apropriar-se desses padrões pré-estabelecidos é fugir de sua condição de liberdade. É a percepção e a valorização que o indivíduo dá ao mundo e as situações que influenciarão em sua autoimagem. O meio tem o poder de influenciar condutas e opiniões, mas o indivíduo é livre para se posicionar diante desse quadro, através de um processo de conscientização e responsabilidade.

Estude a si mesmo

Esta insatisfação com sua imagem corporal funciona como um gatilho para desenvolver distúrbios alimentares  como: anorexia, bulimia, compulsão alimentar, busca por cirurgias plásticas, entre outros.

A insatisfação corporal é um processo interno, mas pode ser influenciado por vários fatores externos. Por exemplo, a família, amigos, bem como os meios de comunicação, que tem grande impacto sobre a forma como uma pessoa vê e se sente sobre si mesma e sua aparência.

Desejamos um corpo ideal e, na maioria das vezes, não poupamos esforços para isso em função da imagem que o corpo representa. Esta imagem é um dos determinantes da nossa identidade. A identidade é própria da construção do sujeito. Ela traz o desejo de existir e de ser reconhecido, e a necessidade de identificação com o outro.

Não se enquadrar ao padrão social pré-estabelecido pode ser motivo de angústia e tristeza. Desta forma, o ideal e o real acabam sendo distantes, e a pessoa se perde na sua própria imagem.

Nem sempre estamos livres das afetações que sofremos, seja social, ideológica, biológica, política ou mesmo familiar. Mas podemos ser livres para lidar com elas da forma que acharmos melhor.

A seguir, algumas dicas para lidar da melhor maneira possível com seu próprio corpo e, principalmente, com a imagem que faz dele:

  1. Reconhecer, ter consciência que precisa de ajuda é o primeiro passo para buscar ter uma imagem corporal positiva.
  2. Tornar-se capaz de aceitar, apreciar e respeitar seu próprio corpo.
  3. Trabalhar a Autoestima, que dita como uma pessoa se sente sobre si mesma, podendo influenciar todos os aspectos da vida, e contribuir para a felicidade e bem-estar.
  4. A autoaceitação, ou seja, sentir-se confortável e feliz da forma que as pessoas próximas a enxergam.
  5. Cobrar-se menos, diminuindo expectativas e projeções, tanto por imagens irreais nos meios de comunicação quanto pelas pressões sociais.
  6. Levar um estilo de vida equilibrado, com atitudes e práticas relativas à alimentação e exercícios te possibilitará maior sintonia com  as necessidades do seu corpo.
  7. E, por fim, todos nós podermos ter em nossos dias sentimentos estranhos ou desconfortáveis em relação ao nosso corpo, o segredo consiste em respeitar-se e principalmente aceitar a sua forma natural.

 

Texto escrito pela Psicóloga Lindaura Vieira

CRP: 06/104660

Quer acompanhar mais conteúdos dela? Clique aqui para curtir sua página no Facebook e aqui para segui-la no Instagram

6 proteínas vegetais para substituir a carne

Um estudo recente da Universidade de Copenhague, na Dinamarca, concluiu que a melhor maneira para perder peso é ter uma dieta mais rica em proteínas magras, como com carnes brancas, legumes e derivados do leite com poucas gorduras. Segundo os pesquisadores, as proteínas podem evitar o ganho de peso, pois ajudam a regular o apetite. Além disso, as proteínas são fundamentais no organismo: “elas são macromoléculas que são quebradas em aminoácidos, fundamentais na produção de anticorpos e na formação dos músculos”, diz a nutricionista Marina Romanini, da Unifesp.

As proteínas ainda atuam na recuperação de tecidos e células, manutenção dos órgãos, da pele e do sistema imunológico, bem como para a produção de hormônios e enzimas. Além das carnes, as leguminosas também possuem proteínas, com menos gorduras e mais fibras (em pouca quantidade nas carnes), além de uma boa chance de variar seu cardápio com novas combinações.

“No entanto, quem opta por não ingerir mais a proteína de origem animal, vai estar consumindo pouco ferro, encontrado em maior quantidade na carne, do ácido fólico, essencial para o sistema nervoso e em maiores quantidades nas carnes e, principalmente, da vitamina B12, também importante no sistema nervoso, mas presente somente em alimentos de origem animal”, diz Marina.

Assim, quem vai seguir uma dieta totalmente livre de produtos de origem animal deve procurar orientação nutricional, pois provavelmente será indicado que haja uma suplementação desses nutrientes e vitaminas. É importante que exista o consumo de outros alimentos, ricos nos nutrientes em falta nas proteínas vegetais.

Confira a lista das proteínas vegetais que são mais ricas em fibras e que tem menos gorduras e menos calorias. Vale lembrar que a recomendação diária da ingestão de proteínas é de 75g, de acordo com Marina (não de quantidade de alimento, mas sim de proteína, que pode ser verificada nas tabelas nutricionais).

1- Soja

A variedade de consumo é uma das maiores qualidades dessa amiga da saúde feminina. Dá para consumir o leite de soja, tofu, queijo cottage de tofu e soja em grão. Todas essas variedades tem uma boa quantidade de proteínas. Para atingir o consumo diário, basta, por exemplo, consumir apenas 25 gramas diários de proteína de soja. A soja cozida tem 3,3 g de proteína a cada colher de sopa. Além das proteínas, a soja contém isoflavonas que atuam de forma semelhante ao estrógeno produzido pelas mulheres. “Isso significa que, com a ingestão de soja, sintomas característicos da menopausa, como ondas de calor, sudorese, insônia e irritabilidade, são amenizados”, de acordo com Roberta Stella.

2- Grão de bico

Não faça bico para essa leguminosa típica da culinária árabe. Apesar do preço nada atrativo aqui no Brasil, o grão de bico merece sim entrar no seu cardápio como um substituto da carne sem prejuízos. Além disso, a presença do triptofano, aminoácido essencial para a produção da serotonina, melhora o humor, pois a substância é responsável pelas sensações agradáveis do organismo. Ela ativa os neurotransmissores cerebrais que dão sensação de bem-estar, satisfação e confiança. E ele é realmente especial, pois o ferro dele é mais absorvível pelo organismo que o do feijão. “E menos que em menor quantidade que as outras leguminosas, a proteína do grão de bico é totalmente digerida”, explica Marina. Cuidado apenas com as calorias, o grão de bico é um dos mais calóricos da família das leguminosas.

3- Feijão

Com tantas comidas industrializadas, você anda relegando o feijão a segundo plano no seu prato? O feijão é uma boa fonte de proteínas, fazendo uma ótima combinação com os carboidratos do arroz. Além disso, é uma ótima fonte de fibras, principalmente o branco, que tem quase o dobro de proteínas e de fibras que o feijão carioquinha. O ferro é um atrativo, pois, das 6g diárias recomendadas, 100g de feijão cumprem pouco mais de um terço. Você pode aproveitá-lo não só no arroz com feijão de cada dia, mas também em saladas, como caldinho e farofa.

4- Cogumelos

Tradicionais da culinária japonesa, o shitake e o shimeji possuem poderosos antioxidantes. Além disso, são uma ótima substituição às carnes, por serem enriquecidos com o ácido fólico. Os dois tipos carregam uma considerável quantidade de ácido fólico. Em 100 gramas de cogumelo, há 1014 mg do nutriente, enquanto a ingestão diária recomendada é de 400 mg. Um bife de 100g de contrafilé carrega cerca de 13g de gorduras, enquanto a mesma quantidade de cogumelo não chega a um grama de gordura. Eles podem ser comprados frescos, em conserva ou secos, e utilizados em pratos variados, como carnes, molhos para massas, saladas e recheios de omeletes.

5- Olegaginosas

Com fama de calóricas, sementes como castanhas, nozes, amêndoas e pistache devem realmente ser consumidas com moderação – uma xícara pode conter até 100 calorias. No entanto, valem como um plus de proteína para acompanhar seus pratos e saladas, pois são fontes de gorduras boas, fortalecendo o coração. “O ômega 3 é importante para diminuir o colesterol ruim. Entre elas, o amendoim é o mais gorduroso”, explica Marina. Para tirar o maior proveito possível, a dica é substituir, em uma refeição, cinco vezes por semana, 210 calorias provenientes de gorduras saturadas por 30 g de alguma dessas sementes.

6- Quinoa

É um supercereal! A quinoa, além de ser ótima fonte de carboidratos de baixo índice glicêmico, vitaminas, minerais e gordura saudável, contém todos os aminoácidos essenciais que nosso corpo não fabrica e que vão formar as proteínas. A quinoa é livre de glúten, isso significa que os celíacos pessoas com intolerância às proteínas presentes no glúten ou pessoas com sensibilidade ao glúten podem saborear pães, tortas e bolos feitos com a farinha de quinoa. Ela tem bem mais fibras que todos os cereais, além de possuir mais de 10g de ferro a cada 100 gramas.

Conteúdo tirado do site Minha Vida

 

7 passos para conquistar a cintura dos sonhos

É só pensar em fita métrica que o drama já começa. Afinal, que mulher não sonha em ter aquela cintura fininha? Conquistar as curvas pode parecer difícil, mas o personal trainer Juliano Farah, Gerente de Musculação da Cia. Athletica Brasília, afirma que praticamente todos os esportes ajudam. “O importante é sempre conciliar exercícios que estejam de acordo com a condição física do praticante, assim como uma alimentação equilibrada”, diz. Confira todos os macetes que podem te ajudar a afinar a cintura sem comprometer a sua saúde:

1- Trabalhe os músculos abdominais

Responsáveis pela rotação do tronco e do quadril, os músculos abdominais oblíquos são a peça chave para uma cintura fina. O personal trainer Juliano Farah explica que os melhores exercícios para trabalhar essa musculatura são os abdominais simples ou o que promovem rotação do tronco. “Na academia, qualquer aparelho que proporcione esse movimento estará contribuindo para afinar a cintura”, completa.

2- Combine exercícios com o bambolê

Quem diria que uma brincadeira de criança poderia ajudar a conquistar um corpo violão? “O bambolê é um exercício aeróbico que proporciona o fortalecimento muscular da região da cintura e gera um grande gasto calórico, ajudando no processo de emagrecimento”, afirma Juliano Farah.

No entanto, o personal alerta que esse exercício sozinho não é suficiente, já que ele fortalece apenas a região do abdômen. “É necessário combiná-lo com outras atividades para contrabalancear a musculatura trabalhada, além de um controle alimentar”. O bambolê pode ser feito todos os dias de forma recreativa, ou conforme a indicação de algum professor.

3- Faça aulas de boxe

Esse esporte proporciona um alto gasto calórico e exige que o abdome fique contraído durante todos os momentos da aula, fortalecendo a musculatura e afinando a cintura. “O boxe também conta com um aquecimento muito puxado que dá um condicionamento físico completo para o praticante”, diz o personal Juliano. A frequência pode ser entre três e cinco vezes na semana.

4- Consuma mais azeite

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Salud Carlos III, da Espanha, em parceria com a Universidade de Cambridge, da Inglaterra, aponta que a ingestão diária de azeite evita a formação de gorduras na região da cintura. O estudo foi publicado na revista Diabetes Care e afirma que as gorduras monoinsaturadas presentes do azeite previne o acúmulo de gordura na região.

A nutricionista Alice Carvalhais, do Instituto Mineiro de Endocrinologia, explica que o azeite pode ajudar desde que seja utilizado em uma dieta balanceada e em quantidade moderada. “O mais correto seria dizer que o azeite ajuda a manter o peso, ou seja, a não engordar”, afirma.

5- Invista nos chás digestivos

Algumas plantas com ações digestivas podem auxiliar no funcionamento do intestino, contribuindo para manter a cintura fininha. A nutricionista Roseli Rossi, da clínica Equilíbrio Nutricional, em São Paulo, explica que o chá de hortelã, o chá verde e o chá mate são ótimas pedidas quando o assunto é afinar a cintura. “Eles ajudam o organismo a digerir gorduras e têm efeito termogênico, contribuindo para o emagrecimento”, diz. Outro chá que ajuda a diminuir o inchaço é o de cabelo de milho, que regula as funções dos rins e da bexiga, combatendo o inchaço da região abdominal e das pernas.

6- Gel redutor

A dermato-funcional Rosângela Santana, do Espaço MAXIMA, em São Paulo, explica que o gel redutor contém substâncias que impedem a formação de gorduras, podendo contribuir para uma cintura fininha. “No entanto, a atividade física é primordial para complementar o uso do gel e de qualquer outro tipo de tratamento estético”, afirma. O creme pode ser aplicado a qualquer hora do dia, com exceção de alguns que indicam passar antes de praticar atividade física e outros após. “A aplicação deve ser feita de cima para baixo ou em movimentos circulares e é importante esperar que o produto seja absorvido pelo corpo para depois colocar a roupa.”

7- Massagem modeladora

A técnica consiste em movimentos rápidos e de forte pressão feitos por um profissional em determinada região do corpo, proporcionando melhor oxigenação local. “Se realizada três vezes por semana na área da barriga e cintura, a massagem modeladora pode ajudar a reduzir medidas”, afirma Rosângela Santana.

 

Conteúdo tirado do site Minha Vida

8 exercícios que garantem seios mais firmes

Fisiologistas e profissionais de educação física possuem uma lista de ótimos exercícios para definir os seios sem precisar recorrer ao silicone, mas antes é preciso saber que nenhuma dessas séries trabalha especificamente o peito. Na verdade, as mamas são compostas por glândulas mamárias e gordura, sem músculo que possa ser trabalhado. O que se trabalha, portanto, é a musculatura da região peitoral, dos ombros e até das costas para garantir seios mais firmes. Quer saber como? Então confira as oito sugestões de exercícios a seguir que você pode fazer até em casa.

1- Supino reto e supino inclinado

Não pule esses exercícios com medo de ficar forte demais e parecer masculina – um professor de educação física poderá determinar uma carga e frequência suficiente para que você atinja o resultado sem exageros. “O supino reto trabalha todo o grupo muscular do peitoral, que ajuda na sustentação dos seios, enquanto o supino inclinado dá ênfase na região superior do peitoral”, explica a personal trainer e instrutora de pilates Bianca Berlotti.

Ela dá a dica de como fazer: deite em um banco horizontal (supino reto) ou com inclinação de no máximo 45 graus (supino inclinado), segure uma barra ou duas anilhas afastadas um pouco mais que a altura dos seus ombros. Desça o objeto na direção do seu peitoral inspirando o ar e suba novamente, soltando o ar. Também há aparelhos em academias que possibilitam um trabalho semelhante

2- Remada alta

O músculo peitoral não será diretamente trabalhado na remada: o exercício é voltado para o trapézio e melhora a postura, deixando o tronco “erguido” e projetando os seios para cima e para frente. “Ele é realizado com o auxílio de barra, halteres e polia, que são elevados na frente do corpo ultrapassando a linha dos ombros”, explica o professor de educação física Diego Rebolo, da Edge Life Sports, em São Paulo.

3- Crucifixo inclinado

Segundo Diego Rebolo, esse exercício trabalha o músculo superior do peitoral que sustenta as mamas. Deitado sobre o banco de até 45º de inclinação, deixe os braços aproximados aos cotovelos um pouco flexionados e os halteres na linha dos olhos. Afaste simultaneamente os braços até a linha dos ombros e volte à posição inicial. “O movimento é como se você fosse dar um abraço”, compara o professor de educação física. “Em casa, você pode usar garrafas cheias ou sacos de alimentos.”

4- Desenvolvimento lateral

Quanto melhor a postura, mais firmes os seios vão parecer, certo? Então invista no desenvolvimento lateral, que trabalha a região dos ombros e facilitam a postura correta. “O exercício é executado elevando os braços lateralmente, acima da cabeça, e voltando até o ponto inicial na altura dos ombros, com os cotovelos flexionados”, conta a fisiologista e profissional de educação física Luciana Mankel, da Curves Academia.

5- Elevação frontal

Inicie com os braços estendidos e abaixados, segurando um peso. Eleve os braços na frente do corpo até a altura dos ombros e volte à posição inicial. “Com esse exercício, você trabalha principalmente ombros e peitoral maior, deixando os seios ‘para cima'”, afirma a fisiologista Luciana.

6- Pullover

Outro ótimo exercício que ajuda a trabalhar o peitoral. Você deve realizá-lo deitada, com as duas mãos segurando um halter ou anilha acima da cabeça e os braços estendidos (mas cotovelos levemente dobrados). Mova o peso para frente, na linha dos ombros e volte à posição anterior.

7- Flexão de braço

É outro exercício que não irá deixá-la forte demais – desde que você não incorpore um treinamento militar e se esbalde em flexões em um mesmo dia. Com a frequência certa, que um personal poderá determinar para você, é possível trabalhar o peitoral. “Apoie-se contra a parede ou a pia e utilize o peso do corpo para fazer movimentos de flexão dos cotovelos”, explica Diego Rebolo.

8- Isométrico de peitoral

A fisiologista Luciana conta que o exercício é bem simples: basta manter uma postura ereta, sentada ou de pé, e encostar as palmas das mãos no ponto médio da região peitoral (como se você estivesse rezando). “Faça força de uma mão contra a outra e relaxe, sem realizar movimentos”, diz a profissional da Curves. Isso já poderá trazer resultados para o peitoral.

 

Conteúdo tirado do site Minha Vida

 

 

Suco de beterraba ajuda a proteger o cérebro

Consumir suco de beterraba diariamente pode aumentar o fluxo de sangue no cérebro em pessoas na terceira idade, e assim proteger os indivíduos de desenvolver casos sérios de demência, diz um estudo feito pela Wake Forest University, nos Estados Unidos. Os autores da pesquisa dizem que esse pode ser um ótimo método para combater esta doença que atinge aproximadamente 35 milhões de pessoas no mundo.

No estudo, publicado no jornal especializado Oxide: Biology and Chemistry, os cientistas acrescentaram durante quatro dias, suco de beterraba, que é rico em nitratos, na dieta de 140 pessoas com mais de 70 anos e que sofriam com demência. Durante a pesquisa, os participantes recebiam refeições ricas em nitratos, que incluía um copo de aproximadamente meio litro de suco do vegetal. Depois de cada uma das refeições, os idosos passavam por exames de sangue e uma série de outros testes para medir o funcionamento do sistema circulatório.

Os autores da pesquisa descobriram que depois de ingerir uma dieta rica em nitratos, as pessoas na terceira idade tinham uma maior circulação de sangue no cérebro, o que facilita o transporte de oxigênio para os lóbulos frontais. Essa área está associada com a degeneração que leva a demência e a outros problemas cognitivos, e sua melhor oxigenação pode prevenir essas complicações e diminuir o ritmo de sua evolução.

Consumir altas concentrações de nitratos, contidos na beterraba, assim como no aipo, repolho, espinafre e alface, ajuda a dilatar os vasos sanguíneos e a aumentar o fluxo de sangue nos lugares que precisam de oxigênio. A beterraba se destaca porque além dilatar as artérias também combate a pressão alta e diminui o risco de derrames, complicações mais comuns na terceira idade.

Proteja seu cérebro

Além dos nitratos contidos na beterraba, existe uma série de nutrientes que ajudam a proteger o cérebro. Segundo um estudo feito pelo Instituto Salk, na Califórnia (EUA), a fisetina que se encontra no morango, pêssego, uva, kiwi, tomate, maçã e também na cebola e espinafre é uma substância fundamental para manter a memória jovem, porque estimula a formação de novas conexões entre os neurônios. Alguns nutrientes, como a fisetina e os nitratos, são importantes para a manutenção da saúde do cérebro, como:

-Zinco, Selênio, Ferro e Fósforo: sais minerais que participam de inúmeras trocas elétricas e mantêm o cérebro acordado e ativo (elétrico). Presente em todas as sementes e grãos, em raízes e nas folhas verde escuro, iogurtes.

-Vitamina E: poderosa ação antioxidante. Presente em todas as sementes e grãos, como também em óleos vegetais prensados a frio.

-Vitamina C: famosa ação antioxidante. Presente nas sementes frescas e cruas que foram pré-geminadas, assim como na maioria das frutas.

-Vitaminas do complexo B: regulam a transmissão de informações (as sinapses) entre os neurônios, presente nas sementes e nas fibras dos alimentos integrais e proteínas.

– Bioflavonoides: são polifenois com forte ação antioxidante. Além das sementes, são encontrados também no limão, frutas cítricas, uva e nas folhas verde escuro.

-Colina: participa da construção da membrana de novas células cerebrais e na reparação daquelas já lesadas. Presente na gema do ovo e em todas as sementes e grãos (predominância na soja), como também em óleos vegetais prensados a frio.

-Ômega-3: funciona como um anti-inflamatório poderoso, evitando a morte dos neurônios. Existem somente três fontes: os peixes de águas frias e profundas e as sementes de linhaça e prímula.

-Carboidratos: a glicose é a energia exclusiva do cérebro. Por isso, ficar muito tempo sem comer carboidratos diminui a atividade mental. Carboidratos complexos (pão, batata, grãos) são absorvidos mais lentamente, fornecendo energia de forma regular. Já o açúcar dos doces é absorvido tão rapidamente que é armazenado como gordura, sem fornecer energia de modo constante.

 

Conteúdo tirado do site Minha Vida 

Conseguir tocar os pés é mais importante do que você pensa

Apesar de ser um movimento muito simples, sua execução pode ser mais complicada do que aparenta. Ao tentar tocar os pés, muitas pessoas percebem o quanto sua própria flexibilidade está prejudicada. Porém, estudos mostram que essa capacidade não diz respeito apenas a esse aspecto do corpo, como também aponta a flexibilidade das artérias coronárias.

Uma pesquisa feita pela Universidade do Norte do Texas, nos Estados Unidos, mostrou que pessoas com mais de 40 anos e com pouca flexibilidade tinham mais rigidez nas artérias. Ainda de acordo com os cientistas, é possível conter essa rigidez incorporando uma rotina de alongamentos. O quadro deve ser revertido em torno de quatro semanas com a prática de exercícios focados.

O estudo destaca, porém, que ainda são necessários novos testes e que não conseguir tocar os pés não é necessariamente um fator de risco para o desenvolvimento de doenças do coração. De qualquer forma, os benefícios do alongamento valem à pena, pois ao alongar o corpo é possível prevenir diversas dores e incômodos musculares.

 

 

Conteúdo tirado do site Minha Vida

Tortinha de limão Low Carb

Receita da Thaís Cavalcanti, do Insta @cozinhafitdathata. Sem glúten, sem lactose, sem farinha, sem açúcar e nem precisa ir ao forno!

Ingredientes base

  • 1 xícara de chá de amêndoas (pode substituir por qualquer nuts de preferencia)
  • 1 xícara de tâmaras sem caroço picadas
  • Raspas de limão (opcional)
  • 1 pitada de sal

Ingredientes recheio

  • 3 xícaras de castanha de caju (de molho por 12 horas)
  • ½ colher de chá de óleo de coco
  • ½ xícara de chá de mel
  • ½ xícara de chá de suco de limão
  • 1 pitada de sal
  • Raspas de limão (reservar)

Modo de preparo

No processador, bata as amêndoas até formar pedaços pequenos. Acrescente os demais ingredientes e bata até obter uma massa uniforme. Quanto mais bater, mais pegajosa fica a massa, porém a ideia é ficar uma farofinha um pouco grudenta. Cubra com a massa o fundo e as bordas de uma fôrma para torta com 22 cm de diâmetro (caso queira fazer menor diminua as proporções). No liquidificador, bata todos os ingredientes do recheio até formar uma mistura bem cremosa e uniforme. Despeje essa mistura sobre a massa e coloque no freezer por uns 30 minutos para firmar bem. Leve para geladeira por pelo menos 4 horas antes de servir, quanto mais gelada melhor.

Dicas

1- Para fazer a montagem da massa na forma, utilize um saco plástico daqueles de congelamento para que não fique grudando na mão.

2- É importante deixar as castanhas de caju de molho antes para ela ficar mais molinha e fácil de bater, dando a textura do mousse.

3- A quantidade do limão do recheio é opcional. Quem gostar mais azedinho coloca mais ou menos. Vai de acordo com a preferência.

4- Pode substituir o mel por xilitol ou qualquer adoçante culinário de preferencia.

5- Se fizer de última hora e não der tempo de colocar na geladeira, coloque direto no congelador por umas 2 horas e retire 20 minutos antes de comer.

Conteúdo tirado do site Minha Vida

Dieta e Saúde: como usar o aplicativo para emagrecer

Seja bem-vinda ao Dieta e Saúde! Aposto que você está morrendo de ansiedade para saber como tudo funciona, não é mesmo? Sem problemas! Fizemos um tutorial super simples para te guiar nesse início do seu processo de emagrecimento! Confira abaixo:

1 – Faça postagens na Comunidade do Dieta e Saúde

Com o Dieta e Saúde, além de ter um diário alimentar detalhado, você ainda conta com uma comunidade incrível de usuários lutando pelo mesmo objetivo: perder peso! Compartilhe suas dores, suas dúvidas, suas conquistas, suas refeições e tudo que te motive a ir mais longe na Dieta!

 

2 – Atualize suas informações de Perfil

Veja como é simples: clique na opção de “Perfil”, escolha uma foto.

 

3 – Escolha qual Dieta você quer fazer: Dieta dos Pontos ou Dieta Low Carb

Acesse as configurações do Aplicativo e escolha entre a Dieta que você quer fazer: Dieta dos Pontos ou Dieta Low Carb.

 

4 – Atualize semanalmente seu peso

Ao atualizar seu peso, você compartilha com a comunidade do Dieta e Saúde seu processo de emagrecimento e consegue observar os resultados de emagrecimento de uma maneira muito mais controlada!

 

5 – Busque informações nutricionais sobre alimentos

Você pode utilizar o aplicativo do Dieta e Saúde para consultar se os alimentos que você quer consumir são prejudiciais para sua Dieta!

 

6 – Adicione Alimentos em seu Diário

Lembra da importância do Diário alimentar? É através dele que você vai informar todos os alimentos que consumiu! Veja como é simples manter seu diário alimentar sempre atualizado

 

7 – Adicione Exercícios em seu Diário

Sabia que pessoas que fazem exercícios físicos, além de melhorarem sua auto-estima e saúde, também contribuem para a aceleração da perda de peso ao longo da Dieta? No Diário do Dieta e Saúde você também controla seus exercícios!

 

8 – Receba recomendações diárias de Cardápios

Seu maior vilão na Dieta são as restrições na alimentação? Ao Assinar o Dieta e Saúde, você recebe diariamente sugestões personalizadas de cardápios! Estas sugestões são personalizadas de acordo com seu peso atual e seu objetivo de peso, para que você possa perder peso sem passar fome!

 

9 – Assista nossas Reuniões Online

Sabemos que o processo de emagrecimento envolve uma série de questões além do peso: auto-estima, dúvidas nutricionais, restrições alimentares, sabotadores emocionais, autocontrole, entre outros! Participe de nossa reuniões online e tire suas dúvidas com nossos profissionais.

 

10 – Exercite-se sem sair de casa

Sabia que os exercícios físicos apresentam uma série de benefícios para a saúde, tanto do ponto de vista físico quanto mental? No Dieta e Saúde, disponibilizamos uma diversidade de exercícios físicos para você fazer em casa: assim você acelera sua perda de peso e melhora sua saúde física e mental.

 

11 – Tire dúvidas com as Nutricionistas do Dieta e Saúde!

Você deve estar pensando: tudo bem. Sei que o Dieta e Saúde pode me ajudar, mas e quando eu ficar com dúvida em relação a qual alimento é melhor para minha saúde e que mais vai me ajudar no processo de emagrecimento? Bom, para todas as suas dúvidas nutricionais, você pode entrar em contato com nossas Nutricionistas através do aplicativo.

 

Pronta para começar a emagrecer com o Dieta e Saúde? Conte conosco nesse jornada! 😉

 

Prancha isométrica melhora postura, acelera metabolismo e tem mais 4 benefícios incríveis

Prática, eficiente e rápida, a prancha isométrica pode ser feita sem sair de casa, sem nenhum tipo de aparelho ou acessório e ainda exercita o seu corpo inteiro. Que tal incluí-la na sua rotina? Abaixo, conheça os benefícios que o exercício trará para o seu corpo:

1. Deixa o seu corpo mais forte

Esse exercício consegue trabalhar uma região muito importante do corpo: o core, o cinturão que envolve a região do abdômen a coluna e que é integrado por 29 pares de músculos. “Essa região central traz muitos benefícios para o corpo inteiro”, conta o professor Fabrício Reimberg, da academia Just Fit. Ao exercitar esse grupo muscular, você fortalecerá o abdômen, a lombar, os glúteos e os oblíquos, ganhando mais força para realizar outros exercícios do seu treino.

2. Acelera o metabolismo

Os exercícios isométricos consistem em ficar parado em uma posição por alguns segundos (e até minutos), justamente o que ocorre na execução da prancha. “Por ser uma isometria, você vai trabalhar o corpo todo para sustentar a posição e essa estabilização para manter o equilíbrio acaba acelerando o metabolismo“, reforça o professor.

3. Previne lesões

“Com o fortalecimento do core, a prancha ajudará na prevenção de lesões na hérnia de disco, na coluna e na lombar, por exemplo”, conta Fabrício. Inclusive, o Conselho Americano de Exercício recomenda a prancha para reduzir as famosas dores nas costas, pois o seu alto poder de fortalecimento auxilia do suporte da região superior do corpo.

4. Melhora a postura

Além de um corpo definido, você pode conquistar também uma postura correta com a prática da prancha. “Isso acontece porque quando você tem a musculatura forte da região central do corpo e dos músculos abdominais, o movimento natural do corpo é de deixar a postura mais ereta, por causa da sustentação”, afirma Fabrício.

5. Trará equilíbrio

Sabe quando você vai se alongar e precisa ficar apoiado em uma perna só, mas em poucos segundos perde o equilíbrio? Isso pode ser solucionado pela prancha. “O desafio de manter-se estabilizado durante o exercício, sem sair da posição, deixará o corpo mais equilibrado com o passar do tempo e da prática”, destaca o professor.

6. Você ficará mais motivado

Por envolver diversos níveis de dificuldade e variações, a prancha costuma ser desafiadora. Com a evolução da prática, você se colocará metas para aguentar mais tempo. “O desafio que você criará para você mesmo traz um ganho emocional e motivador”, revela Reimberg.

Dicas para começar

Nos primeiros dias, você pode fazer o exercício com os joelhos apoiados no chão. “Com o passar do tempo, vá aumentando o nível de dificuldade”, diz Fabrício. Para dificultar, você pode acrescentar mais segundos na posição a cada semana ou até realizar o exercício com um dos pés ou uma das mãos levantados, por exemplo.

Posso fazer todos os dias?

“Sim, pode. Não conseguimos determinar um tempo específico para cada execução, pois ele varia muito para cada pessoa. Portanto, mantenha a posição durante o tempo que aguentar”, dá a dica o professor. Dessa forma, na primeira semana comece com três séries de quantos segundos suportar (sem sair da postura certo, ok?). “Mesmo que o tempo seja baixo, o importante é a estabilização do corpo, deixá-lo todo alinhado, com o tronco ereto e sem a elevação do quadril. Isso sim trará benefícios”, completa Reimberg.

Vantagens a longo prazo

Com o tempo, você sentirá o seu corpo de transformar. “Além de sentir o abdômen mais forte, dependendo do nível e da intensidade da realização da prancha, a musculatura da região ficará mais definida. Isso, claro, mediante uma dieta controlada para proporcionar a perda de gordura da região”, ressalta o profissional. Portanto, exercícios + alimentação equilibrada = fórmula do sucesso.

Erros para evitar

Ao tentar se manter na prancha por mais tempo, muitas pessoas acabam saindo da posição. “Ficar com o pescoço tensionado ou tentar aguentar mais tempo do que o corpo suporta pode gerar lesões”, alerta o especialista. Na dúvida, evolua no exercício somente quando sentir que a execução está ficando mais “confortável”, quando estiver quase fácil. Só então aumente o desafio.

Conteúdo tirado do site Minha Vida

Chá de limão com gengibre é antioxidante e tem função detox

Este chá é rico em flavonoides, vitamina C, antioxidantes e tem função detox. Esta receita é da culinarista Malu Lobo do site Nutra Saúde na Cozinha.

Ingredientes

  • 2 cascas de limão siciliano
  • 1 colher chá gengibre
  • 1 cravo
  • 2 xícaras de água

Modo de fazer

Ferva a água, desligue e adicione os demais ingredientes. Abafe por alguns minutos, coe e beba.

Rendimento

2 xícaras